Como consertar trincas em paredes | Equipe de Obra

Publicidade

Obras

Como consertar trincas em paredes

Reportagem: Juliana Nakamura
Edição 12 - Julho/2007

Muitas são as causas do aparecimento de fissuras e trincas em paredes. Entre elas, pode estar a retração da argamassa, uso de areia inadequada ou contaminada e má aderência do revestimento à estrutura, além da falta de juntas de dilatação ou de movimentação.

Cada tipo de fissura tem uma causa, que deve ser identificada antes de definir qual o tratamento mais indicado. Sobretudo trincas e rachaduras maiores que 0,5 mm devem ser submetidas à avaliação de um engenheiro habilitado, já que, muitas vezes, podem se tratar de manifestações de problemas estruturais graves.

Mas no caso de fissuras de revestimento e trincas superficiais, geralmente causadas por retrações e dilatações da argamassa do reboco, o tratamento costuma ser bem simples e envolve poucos materiais. O principal é a fita de poliéster TNT (tecido não-tecido) que atua como um curativo flexível, ou seja, preenche a falha sem enrijecer a superfície, evitando que surjam novas fissuras nas proximidades.

Antes de iniciar o trabalho, passe um pano úmido sobre toda área a ser trabalhada. Espere a parede secar por cerca de três horas e, só então, dê continuidade ao tratamento. Para uso em ambiente externo, é necessário que o tempo esteja firme, pois a presença de chuvas certamente irá atrapalhar a secagem dos produtos.

Preparação para início do trabalho

Fotos: Marcelo Scandaroli
1- Além do produto para vedar a trinca (fita de poliéster TNT), você vai precisar de massa acrílica, lixa, espátula, tesoura, celulóide aplicador de massa, pincel ou rolo e tinta acrílica para finalizar.
Fotos: Marcelo Scandaroli
2- As superfícies devem ser limpas, secas e isentas de poeira e fuligens.
Fotos: Marcelo Scandaroli
3- É preciso cobrir toda a extensão da trinca com a fita adesiva própria para esse fim. Por isso, com o próprio rolo da fita adesiva, meça o comprimento da trinca e a quantidade de fita que você irá precisar.
Fotos: Marcelo Scandaroli
4- Em seguida, corte a fita com uma tesoura. Caso a trinca a ser reparada tenha formato irregular e siga por sentidos diversos, corte vários pedaços da fita, o suficiente para cobrir todos os trechos. Não se esqueça de que nenhum pedaço da trinca poderá ficar descoberto. Se for necessário, você pode sobrepor a fita em 1 cm até cobrir toda a fissura.
Fotos: Marcelo Scandaroli
5- A etapa seguinte é colar a fita adesiva centralizando na parte trincada. Faça isso enquanto retira a película protetora. Atenção: esse procedimento deve ser feito com cuidado, pois a fita é bastante fina e se dobra com facilidade.
PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>

Veja também

aU - Arquitetura e Urbanismo :: aU Educação :: ed 246 - Setembro de 2014

José Cabral Filho: aula de arquitetura e novas mídias na UFMG