Produtividade da mão de obra | Equipe de Obra

Publicidade

Planejamento

Produtividade da mão de obra

Para descobrir o tempo necessário para fazer os serviços da obra, é preciso considerar várias características. Saiba como fazê-lo.

Reportagem: Jamila Venturini
Edição 38 - Julho/2011

A produtividade da mão de obra pode ser definida como o intervalo de tempo necessário para uma pessoa realizar um serviço com determinadas ferramentas ou equipamentos. Por exemplo, se um pintor leva uma hora para pintar 5 m² de parede, sua produtividade é de 0,2 Hh/m² (lê-se homem-hora por metro quadrado). Se as características dos serviços fossem sempre as mesmas, a produtividade seria constante. No entanto, na construção civil, muitos fatores interferem na execução de um determinado serviço. A disponibilidade de materiais e equipamentos, a complexidade das tarefas e até o pagamento em dia afetam o trabalho dos profissionais, aumentando ou diminuindo sua produtividade.

É importante que os responsáveis pela obra tenham uma ideia da produtividade dos serviços realizados durante a obra, pois assim podem fazer um bom planejamento do trabalho e identificar deficiências que gerem prejuízos. Alguns construtores fazem o registro histórico da produtividade de suas equipes, e usam esses valores para estimar o tempo que será gasto em suas novas obras. Quem não conhece esses dados pode usar valores genéricos de referência disponíveis na publicação TCPO - Tabelas de Composições de Preços para Orçamentos, da Editora PINI.

O livro traz as produtividades mínima, média e máxima de diferentes serviços da construção, assim como uma lista com os fatores que facilitam ou dificultam a execução da tarefa. Para saber o valor da produtividade que se aplica a uma obra, deve-se comparar a situação local com cada um dos fatores - positivos ou negativos - apresentados em cada linha da tabela. Se o empreendimento se aproximar mais da situação positiva, pode-se adotar uma produtividade próxima ao limite máximo. Se a maior parte dos fatores for negativa, adota-se um valor que se aproxime do limite mínimo de produtividade. Caso não haja informações suficientes ou a situa­ção estiver equilibrada, deve ser utilizado o valor intermediário (mediana).

FAIXAS DE PRODUTIVIDADE

A tabela ao lado traz os fatores que facilitam ou atrapalham o andamento da execução de uma parede de alvenaria de blocos de concreto e ajudam a estimar a produtividade do serviço. Compare-os com as condições reais de seu canteiro: se os fatores positivos predominam, o tempo para executar o trabalho é menor (faixa verde); caso contrário, o funcionário vai demorar mais para realizar o serviço (faixa vermelha).

Fonte: TCPO - Tabelas de Composições de Preços par

 

NA PRÁTICA

Veja como os fatores podem atrasar ou agilizar a execução do serviço na obra:

Ilustração: Sergio Colotto
Apoio técnico: Bernardo Corrêa Neto, do departamento de Engenharia e Custos da PINI. Bibliografia: Como preparar orçamentos de obras, de Aldo Dórea Mattos, e TCPO - Tabelas de Composições de Preços para Orçamentos, ambos publicados pela Editora PINI.