Publicidade

Obras

Logística

Como estocar e movimentar aço em obra

Confira dicas sobre como receber, movimentar e armazenar o aço no canteiro, visando a evitar acidentes e danos nas peças e a otimizar a logística da obra

Reportagem: Maryana Giribola
Edição 64 - Outubro/2013
 

Divulgação: MBigucci/Marcelo Scandaroli
O ideal é que seja previsto local de descarregamento dentro do próprio canteiro, minimizando o risco de acidentes com carros ou pedestres. Os operários envolvidos no transporte devem usar luvas de proteção

Ao receber aço para armaduras em canteiro, é importante atentar para fatores relacionados à movimentação e ao armazenamento do material. Isso porque movimentar vergalhões de forma inadequada pode representar risco aos operários. Armazená-los de maneira incorreta pode trazer problemas à sua preservação física e até à sua aderência ao concreto.

Os cuidados com o aço, seja em barras ou já cortado e dobrado, começam desde a sua chegada à obra. Ubiraci Espinelli Lemes de Souza, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), recomenda que o descarregamento seja feito por meio de equipamentos de movimentação vertical, como gruas. Nesses casos, é necessário isolar todo o trajeto que as barras farão do caminhão até o local de estoque. Este, por sua vez, precisa ser previsto em projeto.

Outro cuidado é com o isolamento das calçadas, caso não tenha como o caminhão efetuar a descarga dentro do canteiro. "Em São Paulo, é obrigatório que os descarregamentos de materiais sejam feitos dentro dos canteiros, o que elimina um risco a quem esteja passando pelo local", explica Souza. Além disso, é importante que um técnico em segurança do trabalho oriente os pedestres e operários durante os içamentos, para diminuir o risco de acidente.

Caso o material seja descarregado manualmente, o primeiro trabalho é o de desmontar os feixes, já que o peso do aço não permite a movimentação de muitas barras ao mesmo tempo. Além disso, é imprescindível que os operários usem luvas para que não machuquem as mãos. São necessárias pelo menos três pessoas para fazer o trabalho, de forma que uma segure as barras em cada extremidade e outra, ao meio, aconselha Souza.

Estoque físico
O local de estoque deve ser pensado para que as barras fiquem próximas do local de processamento (no caso de vergalhões) ou do local de aplicação (no caso de telas soldadas ou barras já cortadas e dobradas) "para evitar ao máximo a necessidade de movimentação do aço dentro da obra", explica Allan Santiago, engenheiro da construtora MBigucci. Ele conta, ainda, que as informações sobre condições de armazenamento são previstas em projeto e, caso haja necessidade de mudanças, o calculista da obra deve ser consultado.

As barras podem ficar estocadas em local aberto mesmo que sujeitas às intempéries, desde que não se ultrapasse um período máximo de dois meses. O mais importante, no entanto, é garantir que o aço não tenha contato direto com terra ou barro, para não prejudicar a aderência das barras ao concreto.

Outra recomendação é não permitir que o estoque seja feito em contato com poças d'água. "Quando as barras ficam expostas ao tempo, mesmo que elas molhem com a chuva, o vento acaba secando o material. Já quando parte das barras fica mergulhada na água, cria-se uma corrosão chamada de eletrolítica. As propriedades ao longo das barras passam a não ser as mesmas, o que chamamos de diferença de potencial entre as duas partes, e aí a corrosão acontece", explica Souza.

 

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>

Publicidade