Certo e errado: segurança e saúde nas obras

Certo e errado: segurança e saúde nas obras

CERTO
Mesmo para cortes rápidos com a serra circular, o operário precisa estar equipado com máscara contra o pó, óculos contra fragmentos do material cortado, protetor auricular devido ao barulho intenso e, é claro, luvas para evitar machucados causados por arestas cortantes do material.

Fotos: Marcelo Scandaroli

ERRADO
Essa estrutura sobre o telhado foi montada para receber placas de aquecimento solar de água. Mas vai ser difícil aproveitar o banho quente caso um dos operários bata a cabeça sem capacete. O risco de queda por falta de cinto de segurança só aumenta com a chuva que estava caindo no momento da foto.

Fotos: Marcelo Scandaroli

CERTO
Para raspar rejuntes antigos, é preciso utilizar uma lâmina de tungstênio que pode causar machucados na pele. Daí a necessidade da luva, que protege também do contato com o pó gerado. Esse mesmo pó faria mal aos pulmões e aos olhos caso o operário não estivesse usando máscara e óculos.

Fotos: Marcelo Scandaroli

ERRADO
Ao concretar, não faça como os amigos da foto, que estão totalmente à mercê de diversos perigos. Quando for sua vez de trabalhar, use luvas para proteger sua pele da alcalinidade do cimento e também do risco de cortes; providencie cintos de segurança – ou aprenda a voar – e proteja as pontas dos vergalhões expostos.

Colabore com a seção Certo e Errado – envie fotos em alta resolução sobre bons e maus exemplos relacionados à organização, segurança e saúde nos canteiros. Não serão identificadas construtoras ou obras. O objetivo da revista é orientação por meio de imagens.
E-mail: equipedeobra@pini.com.br.