Melhores práticas: movimentação de terra

Melhores práticas: movimentação de terra

Planejamento
O serviço de terraplenagem não pode ser realizado antes de um planejamento baseado em informações dos levantamentos topográfico e planialtimétrico da obra, que indicam onde serão feitas as escavações e contenções, e da sondagem, que analisa o tipo de solo e a sua resistência em diversos pontos do terreno. Se esse cuidado não for observado, a movimentação de terra acaba sendo feita sem critérios e o trabalho precisará ser refeito.

Divulgação: Dinâmica Engenharia

Reforço de taludes
A terraplenagem deve ocorrer, preferencialmente, nas estações mais secas do ano. Mesmo assim, é imprescindível garantir que os taludes não desmoronem em caso de chuva. O projeto definirá a maneira mais adequada de proteger cada trecho do terreno: nesse caso, foi feito um tratamento superficial com uma camada de concreto não armado, mas também podem ser previstos reforços superficiais com geossintéticos, por exemplo, associados ou não a sistemas de drenagem superficial ou profunda.

Divulgação: Queiroz Silveira

Menos movimentação
Para evitar situações de risco por conta da movimentação de terra, é preciso analisar com cuidado o levantamento planialtimétrico do projeto. O ideal é que, dentro das limitações da obra, tenha-se a menor movimentação de material possível durante os serviços. Com uma logística mais otimizada, a obra economiza tempo e dinheiro com a movimentação das máquinas.

Trabalho de risco
A circulação de pessoas não autorizadas – trabalhadores ou não – deve ser proibida nas áreas de trabalho durante a movimentação dos equipamentos. Os acessos ao terreno devem ser sinalizados com placas posicionadas em locais estratégicos. A sinalização deve ser mantida durante o dia e a noite.

Divulgação: Artefato/FR Incorporadora

Guarda-corpo
Os corredores de circulação de pessoas nas periferias das escavações devem contar com guarda-corpos e corrimãos com resistência mecânica suficiente para suportar o impacto de uma pessoa.

Divulgação: Artefato/FR Incorporadora

Reaproveitamento de material
Sempre que as características da obra e do terreno permitirem, reutilize a terra removida durante as escavações para fazer o aterro em outras áreas. Nessa etapa, é preciso garantir que o material reutilizado seja passível de compactação. Não é necessário proteger das intempéries os volumes removidos, mas eles não devem ficar próximos dos taludes.

Divulgação: Queiroz Silveira

Compactação rápida
Em terrenos com grande movimentação de terra, como em obras de shopping e de rodovias, a primeira operação é o espalhamento do solo em camadas de, no máximo, 30 cm de espessura. A etapa seguinte, de compactação com rolos mecânicos, não pode tardar para que o solo não seja carreado pela água em caso de chuva.

Reportagem: Maryana Giribola

Apoio técnico: Rogério Queiroz Silveira, da construtora e incorporadora Queiroz Silveira; e Celso Corrêa, presidente do Núcleo São Paulo da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (ABMS)