Melhores práticas: gestão de resíduos de obra

Melhores práticas: gestão de resíduos de obra

Separação dos materiais
Para facilitar o reaproveitamento de materiais, os resíduos da obra podem ser separados em baias provisórias no canteiro. O ideal é que haja uma baia para cada tipo de material, como madeira, ferro, plástico, gesso e papelão. O gesso das placas de drywall, por exemplo, é retirado por uma empresa que o tritura e utiliza seu pó na composição do cimento.

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Resíduos perigosos
As lâmpadas fluorescentes, que possuem mercúrio em sua composição, podem contaminar o ar, o solo e o lençol freático. Por isso, devem ser armazenadas separadamente, abrigadas da chuva, do vento e sem contato com o solo, até terem destinação adequada.

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Reutilização da madeira
A madeira foi separada em duas baias: a que estava em boas condições e podia ser reutilizada na própria obra e a que não servia para o reaproveitamento e seria encaminhada para a reciclagem – há empresas que a utilizam como matéria-prima para queima em fornos, por exemplo. Na foto, vemos o corte da madeira que será reutilizada na própria obra.

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Descarte de água suja
Outros materiais que podem contaminar o solo e devem ser armazenados em um local específico são luvas, ferramentas, pincéis, estopas e latas sujos de tinta, graxa ou óleo. É importante lavá-los de forma a minimizar os resíduos perigosos e cuidar do descarte adequado dessa água, como mostra a foto.

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Telhas de amianto
O telhado da obra demolida era de amianto, material que pode afetar os pulmões, é cancerígeno e hoje está proibido em alguns Estados, como São Paulo e Rio de Janeiro. Para retirá-lo, os funcionários usaram máscaras contra o pó nocivo, luvas, capacete, macacão e óculos. As telhas foram embaladas com lona, para evitar a dispersão de resíduos, e armazenadas como materiais perigosos.

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Britagem do entulho
Separados os demais resíduos, o concreto restante foi triturado por uma empresa especializada. O material vira uma espécie de brita, que é utilizada como matéria-prima em elementos que não sejam estruturais. Uma camada dessa brita foi usada no canteiro, para garantir mais firmeza ao solo. Assim, o caminhão não afunda na terra na época de chuvas. Também é possível utilizar uma base de brita na área onde será feito o estacionamento, reduzindo assim os resíduos da obra.

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Material de demolição
Após a retirada das telhas, a estrutura metálica do telhado foi desmontada e armazenada na baia para reciclagem. O próximo passo foi a demolição do material e a triagem dos resíduos da construção que poderiam ser reaproveitados ou reciclados.

Foto: divulgação Inovatech Engenharia

Limpeza das rodas
Para manter as ruas do entorno limpas, é importante lavar a terra nas rodas do caminhão antes que ele saia da obra. E, para que a água da limpeza não escorra pela calçada, foram construídas grelhas. Sob elas há caixas de decantação, feitas de concreto. Assim, a terra que escorre das rodas sedimenta e a água que vai para o sistema de esgoto está mais limpa, o que reduz os riscos de entupimento da rede pública.

Por Marina Almeida

Apoio técnico: Guilherme Bertuzzi Loos, analista de sustentabilidade da Inovatech Engenharia