Materiais: piso intertravado

Materiais: piso intertravado

Muito comumente utilizados como soluções de piso em calçadas, áreas externas e estacionamentos, o pavimento de concreto intertravado nada mais é do que um arranjo de blocos de concreto, conhecidos também como pavers, que são assentados diretamente sobre um colchão de areia.

Segundo Claudio Oliveira Silva, gerente de Inovação e Sustentabilidade da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), o sistema já é bastante tradicional no Brasil, mas pode-se explorar melhor suas potencialidades arquitetônica e paisagística, com formatos, modulações e cores diferentes. Embora o mais frequente seja o bloquete cinza, cor natural do concreto, o produto também é encontrado nas versões terracota, vermelho, cinza-escuro, camurça e amarelo.

Além disso, afirma Claudio Silva, é preciso cuidar para que a execução da instalação do sistema seja perfeita e garanta realmente sua eficiência, produtividade e beleza. Isto porque as peças pré-moldadas do pavimento intertravado não utilizam rejunte. O segredo está no perfeito encaixe entre elas. A solução também é boa porque permite que a manutenção e limpeza sejam feitas sem quebra nem perda de blocos; pode-se consertar uma tubulação enterrada, por exemplo, e depois recolocar as peças sem quebra-quebra.

Características
Os blocos de concreto para pavimento são oferecidos com espessuras que vão de 4 cm a 10 cm, de acordo com a aplicação. As características das peças e a resistência do material variam conforme o tipo de tráfego que o pavimento suportará. Em lugares de circulação de pedestres, as peças podem ser mais finas: 4 cm de espessura; em locais com tráfego de veículos leves (automóveis), a espessura recomendada é de 6 cm; para o suporte de veículos pesados (caminhões), recomenda-se pelo menos 10 cm de espessura do bloco.

Os pisos devem atender a uma resistência mínima de compressão de 35 MPa para a circulação de veículos leves e de 50 MPa para veículos pesados. É importante, lembra Silva, atender à receita de execução da NBR 15.953: 2011 – Pavimento Intertravado com Peças de Concreto – Execução. “Apesar de a norma técnica ser de 2011, ainda vemos muitos erros de execução da sequência construtiva, desde a preparação da camada de base até a compactação das peças”, revela. O gerente da ABCP também alerta para as determinações da NBR 9.781:2013 – Peças de Concreto para Pavimentação – Especificação e Métodos de Ensaio.

Já o formato e a paginação das peças variam de acordo com o gosto do arquiteto paisagista. O mais comum é dispor os blocos em fileiras ou cruzá-los em forma de “espinha de peixe” a 90º ou 45º em relação ao sentido do tráfego. Pode-se ainda paginar as peças em sequências de juntas corrida ou amarrada, ou ainda em formato de tabuleiro de damas.

Garantindo a qualidade
O ideal é que o fabricante entregue o produto próximo ao local onde será assentado, em paletes plastificados, tornando mais rápida a operação de carga e descarga e evitando choques mecânicos que desgastem as peças.

 

 

 

 

 

 

 

 

Compactação do pavimento

Os paletes devem ser carregados ou descarregados no canteiro com empilhadeiras ou caminhão munck. Segundo Silva, a partir daí, já há exemplos de mecanização do processo de assentamento das peças, o que conferiria ao serviço mais produtividade e eficiência. Porém, no Brasil, “as iniciativas ainda são tímidas; feitas pela metade, sem treinamento prévio, o que resulta quase sempre em um trabalho improdutivo”, lamenta.

Com o descarregamento dos paletes, é hora de checar a qualidade das peças. Silva recomenda fazer o teste de percussão (batidinhas nos blocos). Segundo ele, quando os itens são bem compactos, produzem sons mais estridentes (metálico); quando eles são mais porosos, produzem sons suaves.

Antes do assentamento, também é importante verificar com o fabricante se as peças já atingiram no mínimo 80% da resistência característica especificada (de 35 MPa a 50 MPa) aos 28 dias, mas as peças são entregues normalmente quatro ou cinco dias após sua produção. De acordo com Silva, é possível testá-las jogando sobre elas um pouco de água e verificando se a absorção do líquido é imediata – o ideal é que a absorção seja lenta.

De resto, é importante seguir o projeto de pavimentação (orientado pela NBR 15.953), que estipula verificar a base e espessura do sistema, que deve estar bem compactada; a execução da camada de assentamento em relação ao material utilizado (geralmente feita com pedrisco limpo); e o alinhamento inicial na partida do assentamento das peças. Obrigatoriamente, ainda, é necessário executar corretamente as contenções laterais (uma guia, um muro ou algo onde o bloco possa ser contido), para evitar o deslizamento das peças e fazer o travamento do piso Compactação do pavimento com um rolo compactador.

Reportagem: Nathalia Barboza